NANDO REIS

Nando Reis.jpg

Citar estatísticas ao iniciar um artigo sobre um artista performático é altamente incomum, mas no caso de Nando Reis é necessário mostrar sua verdadeira gama artística. Em 2016, ele foi o sexto artista ao vivo mais tocado no país, suas músicas ficaram em 13º na lista dos mais tocados no rádio e o número 1 a categoria de som ambiente. Dado isso, não é exagero dizer que em seus 35 anos de carreira desde que ele subiu ao palco como Titã, em 1982 (de sua antiga banda Titãs), sua produção literária o transformou em um dos principais compositores brasileiros da história. Para contextualizar, os próximos artistas da lista de músicas mais tocadas são Caetano Veloso, Renato Russo (Legião Urbana) Lulu Santos e Djavan. 

Sem contar com o lado estrangeiro de Nando - no atual 2018 ele já fez uma turnê européia com o Trinca de Ases (quando ele tocou junto com Gal Costa e Gilberto Gil), no ano passado ele fez shows nos Estados Unidos e na Europa com banda e fez faz essas turnês desde 2010. 'Diariamente' cantada por Marisa Monte, 'All Star', 'O Segundo Sol' e 'Relicario' gravada por Cassia Eller, 'Resposta e' É Uma Partida de Futebol 'gravada por Skank,' Do Seu Lado 'de Jota Quest, 'Onde Você Mora?' E 'Querem meu Sangue', da Cidade Negra. Todos foram grandes sucessos no Brasil e foram escritos por Nando Reis, sozinhos ou em parceria com os artistas.

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

thiaguinho

Thiaguinho.jpg

Nascido no interior de São Paulo e criado do Mato Grosso do Sul, Thiaguinho carrega diversos gêneros em sua paleta de referências musicais, desde a música sertaneja, até o samba de Elis Regina ou soul de Tim Maia. Conheceu o pagode através de um tio, e o ritmo logo o fascinou.

 

O nome de Thiaguinho, assim como sua inconfundível voz, ecoaram no Brasil pela primeira vez através do reality show “Fama”. Seu talento e carisma levaram-no ao Grupo Exaltasamba, que longo se tornou a maior banda de pagode brasileira.

 

Hoje em carreira solo, Thaguinho tem alto reconhecimento no mercado, agradando a gregos e troianos com suas músicas que se tornam, invariavelmente, hits. O ex-apresentador do programa “Música Boa Ao Vivo” (MSW) retornou a Som Livre em uma parceria que promete render bons frutos para os amantes de música de qualidade.

 

Em pouco tempo, lançou "#VamoQVamo", "Tardezinha" e "Só Vem! (Ao Vivo)", trabalhos que legitimaram Thiaguinho como um dos maiores artistas da atualidade.  

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

ANAVITÓRIA

WhatsApp Image 2021-01-11 at 22.54.06.jp
  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

Duo formado em 2015 por Ana Caetano e Vitória Falcão. Lançaram seu primeiro EP em 2015, homônimo ao duo, menos de seis meses depois de terem sido descobertas pelo empresário artístico Felipe Simas. No ano seguinte, lançaram o seu álbum de estreia, intitulado também ANAVITÓRIA. Por esse trabalho, o duo foi indicado em duas categorias no Grammy Latino, 2017 ganhando a categoria Melhor Canção em Língua Portuguesa pela canção Trevo (Tu). Em 2018, lançaram o longa-metragem Ana e Vitória (disponível na Netflix) e o seu segundo disco de estúdio, O Tempo é Agora, vencedor do Grammy Latino 2019 na categoria Melhor Álbum Pop em Língua Portuguesa. No primeiro dia de 2021, lançaram o disco COR, terceiro trabalho inteiramente autoral do duo.

pitty

Pitty.jpg
  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

Pitty nasceu em 7 de outubro de 1977, em Salvador (BA). Aos 11 anos ganhou o primeiro violão e aos 16 montou sua primeira banda,“Shes”, na qual tocava bateria e que durou cerca de um ano. Em 95 começou a trabalhar em um estúdio musical em Salvador. No ano seguinte passou a integrar a banda de hardcore Inkoma como vocalista. Em 98 o Inkoma gravou uma faixa num CD tributo aos Ratos de Porão e, nessa ocasião, a banda conheceu o produtor Rafael Ramos, que veio a produzir e lançar o disco “Influir”, em 2000, pelo selo Tamborete. No ano seguinte o Inkoma chega ao fim. Com material acumulado, Pitty assina com a gravadora Deck em 2002 e lança seu primeiro disco solo, "Admirável Chip Novo" (2003). A partir dessa data Pitty lança os seguintes álbuns: "Anacrônico" (2005), “{Des}Concerto” (2007)”, o DVD “Chiaroscope” (2008), o DVD “A Trupe Delirante no Circo Voador” (2011).

 

No final de 2011 lançou o projeto Agridoce. Fruto de composições feitas despretensiosamente nos intervalos das turnês, o Agridoce traz a cantora no piano e o guitarrista Martin no violão. Com músicas mais leves e delicadas do que o trabalho com a banda completa, Agridoce emplaca o sucesso “Dançando” e sai em turnê pelo Brasil. Em 2014 lançou “SETEVIDAS” e 2017 passou a ser apresentadora do programa Saia Justa e gravou com Elza Soares a música de sua autoria "Na Pele”. Em 2018 lançou "Contramão", com participações de Tassia Reis e Emilly Barreto, da banda Far From Alaska, e "Te Conecta". Em abril de 2019 jogou pro mundo o aclamado "Matriz", que rende frutos até o momento.  

vitor kley

Vitor Kley.jpg

Depois de conquistar o Brasil com a música “O Sol”, Vitor Kley percorre o país com seus shows e uma energia ímpar. Logo após seu lançamento, o single viralizou e se tornou um sucesso, ultrapassando 188 milhões de visualizações no YouTube. Na bagagem, dois álbuns lançados: Eclipse Solar, com a produção de Déio Tambasco, e Luz a Brilhar, produzido por Armandinho. O primeiro EP, com produção de Rick, inclui as músicas “Dois Amores”, “Armas a Nosso Favor” e “Farol”. Seu terceiro álbum, Adrenalizou, vencedor do Disco de Platina, tem 14 canções, sendo cinco inéditas. Entre elas estão “O Sol”, single com o qual ganhou Disco de Ouro e Disco de Diamante Duplo, “Farol”, o hit “Morena”, que também conquistou o Disco de Diamante,“Adrenalizou”, que batiza o disco, e “Bem Te Vi”, uma parceria com a cantora Kell Smith.

Em 2019, fez sua primeira tour internacional, com diversos shows em Portugal, passando por um dos maiores festivais do país, o Meo Sudoeste. O cantor ainda conquistou o single de platina, com o “O Sol”, que também foi a música #1 nas rádios de Portugal. Dentre os últimos lançamentos, o artista se uniu ao duo Anavitória e juntos carimbaram mais um grande hit, “Pupila”. Seu novo single “A Tal Canção para a Lua”, faz parte do projeto Microfonado e tem Samuel Rosa como convidado. Sempre com um sorriso no rosto e alto astral contagiante, Vitor conquista cada vez mais seu espaço e, mesmo jovem, já deixa de ser uma promessa para despontar como um dos grandes artistas de sua geração.  

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram


PAULO RICARDO

Paulo Ricardo foi o líder do RPM, uma banda de pop/rock que foi um grande sucesso comercial no Brasil. Deixou a banda em 1989 quando gravou seu primeiro disco solo, Paulo Ricardo. Gravou mais seis álbuns em 2000, depois passou para a música romântica, tendo feito grande sucesso no mercado latino-americano com A Cruz e a Espada, lançados internacionalmente. Aos cinco anos atuou no espetáculo amador de Augusto César Vanucci e foi convidado a retornar várias vezes. Aos 14 anos, mudei-me com a família para São Paulo SP e conheci Luís Schiavon, que mais tarde se tornaria o tecladista do RPM . Em 1980, ingressou na Universidade de São Paulo na área de jornalismo. Logo depois, tornou-se crítico de rock das revistas Canja, Música e Som Três. No final do ano, decidiu fazer shows com Schiavon, mas o som pop deles não teve o mesmo sucesso do punk/new wave que era popular no Brasil na época. Decepcionado, seguiu a namorada Eloá Ramos Chouzal para a França e depois para Londres, na Inglaterra. Lá novamente ficou fascinado com as perspectivas de sua própria banda e escreveu músicas enquanto se correspondia com Schiavon. Voltando ao Brasil em 1983, quando o pop/rock finalmente se tornava viável financeiramente, gravou uma demo com o tecladista, mas não obteve interesse de nenhuma gravadora. Convidando o guitarrista Fernando Deluqui e o baterista Júnior (que, em janeiro de 1985, foi substituído por P.A. Pagni), ele formou. Após a separação em 1989, ele começou de baixo novamente, tocando com a ajuda de músicas gravadas em clubes pequenos e obscuros. Nessa fase, seu parceiro musical e produtor Liminha foi de grande ajuda para o retorno de Paulo Ricardo . Logo foi convidado como cantor preferido para atuar em um especial de TV sobre os 50 anos de Carlos. Querendo se recompor, tocou com Pagni e Deluqui no festival Rock in Rio II. Com a adição de Marquinho Costa e Franco Júnior lançaram Paulo Ricardo e RPM em 1993 (PolyGram). Mas não deu certo e a banda foi dissolvida novamente em 1995. No ano seguinte, lançou seu álbum solo Rock Popular Brasileiro, que vendeu cerca de 100.000 cópias.



Guilherme Arantes 

guilherme-arantes_edited.jpg

Guilherme Arantes tem diversos sucessos como "Meu Mundo e Nada Mais", "Planeta Água", "Cheia de Charme", "Coisas do Brasil" e outros, todos de sua autoria com diversos parceiros. Suas canções também tiveram sucesso na interpretação de outros artistas como Elis Regina, Caetano Veloso, Cláudia Telles, Gang 90, Roberto Carlos, Biafra, Quarteto em Cy, Ney Matogrosso, Leila Pinheiro, Flávio Venturini, Os Cariocas, 14 Bis, A Cor do Som, Ana Belém, Jessé, Cauby Peixoto, Belchior, Luiz Ayrão, Sandra Sá, MPB-4, Fafá de Belém, Vanusa, Joanna, Eliete Negreiros, Emílio Santiago, Ná Ozetti, Pena Branca & Xavantinho, Nenhum de Nós, Klébi, Chitãozinho e Xororó, Maria Bethânia, Sá e Guarabira, entre outros. Suas composições também foram incluídas em mais de 20 trilhas sonoras de novelas. Influenciado pelo pai, cirurgião e violonista amador (violonista), aprendeu cavaquinho, bandolim e piano aos seis anos. Na adolescência formou o grupo amador Polissonante, que tocava em algumas festas de clubes. Logo Arantes estava recuando. Ele fez alguns jingles para Pauta, Sonotec e Vice-Versa. Inscrevendo-se no curso de Arquitetura da FAU, formou o Moto Perpétuo com Cláudio Lucci e Diógenes, e posteriormente, Gerson Tatini (baixo) e Egydio Conde (violão). A banda logo gravou o precário primeiro disco e tocou no Iacanga e no festival Águas Claras com e O Som Nosso de Cada Dia.

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram
  • Spotify ícone social
  • Instagram
  • YouTube

lulu santos

lulusantosleoaversa.jpg

Lulu Santos é um dos mais bem sucedidos artistas brasileiros, hitmaker natural, dono de clássicos incontestáveis (e vendagens milionárias) ao longo de uma carreira com mais de 30 discos gravados. Dono de hits como 'Tempos Modernos', 'O Último Romântico', 'Tudo Azul', 'Toda Forma de Amor', 'Um Certo Alguém', 'Assim Caminha a Humanidade', 'Aviso aos Navegantes', 'Sereia e 'De Repente Califórnia'.

Além da carreira nos palcos, Lulu também exerce o papel de jurado no THE VOICE BRASIL desde 2012.

"Pra Sempre" é o último lançamento do Lulu Santos, um álbum dedicado ao amor e está sendo apresentado na sua turnê atualmente.

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

alceu valença

alceu-valenca.jpg

Alceu Valença é um cantor / compositor brasileiro de sucesso e criador de um estilo musical distinto que mistura suas raízes nordestinas (São Bento do Una, em Pernambuco) e grooves contemporâneos da MPB. Ele também é um artista vivo enérgico e até hipnotizante. Suas músicas foram gravadas por vários artistas importantes, incluindo Luiz Gonzaga (com quem ele escreveu "Plano Piloto"), Maria Bethânia e Elba Ramalho. Sua vida foi retratada no livro de Anamelia Maciel, Alceu Valença em Frente e Verso. Filho de um advogado de renome local, Valença sempre preocupou seu pai com seu caráter rebelde.

 Ele ressurgiu publicamente em 2014 com o estúdio Amigo da Arte. O set comemorou os frevos, maracatus e cirandas dos lendários carnavais de Pernambuco. O cantor português Carminho fez um dueto com Valença no "Frevo No. 1: Recife", escrito por Antonio Maria. Dois anos depois, ele lançou três diferentes gravações ao vivo. Primeiro, Encontros 20 Anos com amigos e colaboradores de longa data Elba Ramalho e Azevedo, seguidos de uma coleção de hits reorganizados e revistos para orquestra intitulada Valencianas: Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto e, finalmente, Vivo! Revivo! junto com uma trilha sonora e trilha sonora originais do filme Luneta do Tempo, da Deck. A ocasião de seu aniversário de 70 anos foi comemorada em 2017 com o lançamento do Anos 70, uma caixa contendo seus álbuns dos anos 70 em vinil de 180 gramas - Molhado de Suor (1974), Vivo (1976) e Espelho Cristalino (1977). Também foi incluída a reedição da rara Saudade de Pernambuco, em 1979.

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

PAULO Miklos












 

Ao longo de sua carreira, Paulo Miklos se tornou muitos artistas ao mesmo tempo. Na via principal, construiu uma sólida personalidade como cantor e compositor, sobretudo nos anos em que integrou os Titãs. Ali, Miklos se tornou o intérprete de clássicos absolutos do rock brasileiro. Seu timbre inconfundível é, desde então, parte da memória afetiva nacional. Na via paralela, Paulo Miklos ergueu uma já consagrada carreira como ator – no cinema, na televisão e no teatro. Apresentou programas de TV, foi jurado de reality show, fez tudo o que quis – e foi bem-sucedido em todas essas investidas, pelas quais ganhou prêmios e prestígio. Fértil compositor, fez dois álbuns individuais em paralelo a banda: “Paulo Miklos” (1994), e “Vou Ser Feliz e Já Volto” (2001). Estes trabalhos são o fio condutor para chegar ao “agora” que Miklos entona no título do mais recente trabalho “A Gente Mora no Agora”. É no palco, levando a turnê do novo disco, que Paulo Miklos junta todos os artistas que se tornou. Estão em cena o compositor, o intérprete, o ator, o instrumentista. Todos têm de estar presentes na verdadeira estreia individual de Paulo Miklos. Por todas essas, A Gente Mora no Agora se faz um petardo ainda mais relevante na história da música popular brasileira recente. Em 2022, lançou o disco "Do Amor Não Vai Sobrar Ninguém", feito totalmente à distância e com canções inéditas compostas durante a pandemia.

  • Spotify ícone social
  • Instagram
  • YouTube




roberta campos

Roberta Campos.jpg

Cantora, compositora e escritora, Roberta Campos é um dos novos nomes que aparecem em um time de grandes cantoras da MPB. Mineira de Caetanópolis, Roberta aprendeu a tocar violão sozinha aos 11 anos de idade e canta profissionalmente desde 1998. Em 2008 lançou seu primeiro disco independente, “Para Aquelas Perguntas Tortas”; em 2010 com a gravadora Deck, lançou “Varrendo a Lua”; em 2011 foi a vez de “Diário de Um Dia” (Deck). Em 2015 lançou seu mais recente trabalho “Todo Caminho é Sorte”, que lhe rendeu a indicação ao Grammy Latino 2016 na categoria "Melhor Álbum de MPB", trazendo composições próprias, além de regravações de sucessos como Casinha Branca (Gilson e Jordan) e que conta com a participação de nomes como Marcelo Camelo e Marcelo Jeneci.

 

Como compositora Roberta tem mais de 200 composições no currículo e autora de grandes sucessos de trilhas de novelas como "Abrigo" (O Outro Lado do Paraíso - TV Globo),"Minha Felicidade" (tema de abertura de Sol Nascente – TV Globo); “De Janeiro a Janeiro” (Além do Tempo e Sangue Bom – TV Globo), canção gravada em parceria com Nando Reis; “Varrendo a lua” (Malhação – TV Globo); “Sete Dias” (Amor Eterno Amor – TV Globo) e “Felicidade” (Além do Horizonte – TV Globo). Em mais de 15 anos de carreira, já cantou ao lado de nomes como Milton Nascimento, Fernanda Takai e Moska e teve composições gravadas por vários artistas como Patu Fu e Nenhum de Nós.  

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

ANA GABRIELA

ana-gabriela.PNG

Revelada na internet através de releituras que fazia de seus artistas favoritos, Ana Gabriela ganhou repercussão ainda maior quando começou a construir sua carreira autoral com canções leves e delicadas. Seu estilo de voz e violão ganhou notoriedade e estimulou a musicista a seguir carreira, gravando faixas inéditas criadas junto a parceiros artísticos. Dentre seus maiores sucessos, há a versão de “Céu Azul” (Chorão/Thiago Castanho), que ultrapassa 23 milhões de reproduções só no Spotify, “3 Horas” (Daniel Ferreira) e “Mais de Nós”. Ana Gabriela acumula, atualmente, mais de 1 milhão ouvintes mensais no Spotify e 1,6 milhão de inscritos no YouTube. Um de seus mais recentes clipes, "Sabe" (Daniel Ferreira), chegou a 7 mi de reproduções e uma contribuição dela com a banda Lagum, "Deixa", já bateu os 120 mi de plays no Spotify. Em 2020, Ana lançou seu segundo EP, (nó)s, que marca uma nova fase na carreira da artista e o álbum "Ana", com 13 faixas e participações especiais de Melim em "Não Te Largo, Não Te Troco" e Fran em "Vem Cá". Nesse ano, Ana Gabriela acaba de lançar seu mais novo single "Capa de Revista".

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

Toquinho

toquinho.PNG

Depois de aprender a tocar violão com Paulinho Nogueira aos 17 anos, o brasileiro Toquinho conheceu Chico Buarque aos 17 anos e decidiu iniciar a sua carreira musical logo em seguida. Em meados dos anos 60, o artista compôs sua primeira música, intitulada "Lua Cheia"; além disso, tocou violão em artistas locais de destaque, como Sergio Ricardo e Alaíde Acosta. Em 1969, Toquinho iniciou um relacionamento profissional de longa data com. Para comemorar sua contribuição para a música tradicional brasileira, BMG lançou 30 Anos De Música em 1997. Chega de Saudade veio na primavera de 2001. 

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

lô borges

lo-borges.PNG

Lô Borges (nascido em Belo Horizonte-MG, Brasil, em 10 de janeiro de 1952), integrante do Clube da Esquina, é compositor de diversos sucessos como "Um Girassol Da Cor Do Seu Cabelo" e "O Trem Azul", gravados de Milton Nascimento, Tom Jobim, Elis Regina e outros grandes artistas. Criado em Belo Horizonte, Borges foi amigo de infância de outros futuros famosos integrantes do Clube da Esquina, como Milton Nascimento, Wagner Tiso, Toninho Horta, entre outros. Aos 19 anos foi convidado por Milton Nascimento para gravar o LP Clube da Esquina, dividindo a composição do disco inteiro. Em 1972, lança seu primeiro disco solo, Lô Borges, seguido de A Via Láctea (1979) e Os Borges (1980). Gravou também Nuvem Cigana (1982), Sonho Real (1984), Solo (1987), Meu Filme (1996), Feira Moderna (2000), Um Dia e Meio (2003), BHANDA (2006), Intimidade (2008), Harmonia (2009), Horizonte Vertical (2011) e lançou três DVDs.

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

fernanda takai

takai.png

Vive em Belo Horizonte, Minas Gerais. Formada em Relações Públicas, UFMG, 1993. É cantora, compositora e cronista. Vocalista da banda mineira Pato Fu há 25 anos, há 10 lançou-se numa carreira solo com repercussão nacional e internacional, chegando a gravar um CD de inéditas com o guitarrista Andy Summers (The Police) em 2012. Lançou 18 álbuns e 7 DVDs. Tem 4 Discos de Ouro, vendeu mais de um milhão de cópias. Artista multipremiada pela APCA, Grammy Latino, MTV Brasil, Multishow, Revista Bravo!, Prêmio da Música Brasileira, entre outros. Tem 4 livros publicados (Panda Books, Cobogó Editora e Itaú).

Apresentou-se também no Japão, Inglaterra, Portugal, Nova Zelândia, Austrália, Argentina e Estados Unidos. Participou como convidada de projetos de Rita Lee, Zélia Duncan, Roberto Menescal, Maki Nomiya, João Donato, Gilberto Gil, Erasmo Carlos, Duran Duran, Renato Russo, TV Cultura, Rede Globo e muitos outros. Participou em trilhas de curtas, longas e documentários como cantora, dubladora e compositora, com trabalhos para Disney, Otto Desenhos (Kikito em Gramado pelo Júri Popular), Jorge Furtado entre outros. Casada com John Ulhoa (produtor e guitarrista), tem uma filha de 13 anos chamada Nina. Tem ascendência japonesa por parte de pai e portuguesa por parte de mãe e um apetite inesgotável por novos & velhos lugares, comidas, sons e imagens.

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

Sérgio Britto

sergio-britto_edited.jpg

Compositor, cantor e instrumentista, Sérgio Britto, integrante da banda Titãs, vem desenvolvendo nos últimos anos, paralelamente à banda, um projeto solo com personalidade e características próprias. Trata-se, a grosso modo, de música pop com elementos da bossa nova e MPB. Em seu novo trabalho, EPIFANIA, Sérgio continua explorando a trilha aberta nos seus discos solo anteriores. Dessa vez, serão lançadas duas canções (um compacto com lado A e lado B), a cada três meses, até completar um total de 12, fechando o álbum. Com 38 anos de carreira, Sérgio Britto é autor de sucessos como “Epitáfio”, Homem Primata”, Diversão”, Enquanto Houver Sol”, “Flores”, “Go Back”, “Por Que Eu Sei Que É Amor”, “Miséria” e “Comida”, entre muitos outros. No seu último projeto solo gravou, com participação especial de Rita Lee, a premiada “Purabossanova”, eleita melhor música do ano pelo júri da rádio MPB FM, em 2014. São destaques também “Aqui Neste Lugar”, com participação especial de Negra Li, e “Como Iguais”, com Luiz Melodia.

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

Gabriel Gonti

gabriel-gonti.png

Odoyá é o mais novo lançamento de Gonti. A faixa tem produção assinada por ninguém menos que Maria Rita - em seu primeiro trabalho de produção para outro artista -, em parceria com Túlio Airold, que já é colaborador frequente de Gonti. “Odoyá” ganhou videoclipe, em produção dirigida pelo filmmaker Enrico Beer Boimond.  “Maria, que é devota de Iemanjá, chegou rabiscando a letra, me mostrando as belezas e os ensinamentos de Iemanjá, cantarolando ideias de melodias, dando dicas de aquecimento de voz, trazendo sua magia e bagagem para um dos dias mais especiais para mim e para todos que trabalham e vibram comigo na música”, Gabriel comenta, sobre a parceria com Maria Rita. “Odoyá”, assim como outros trabalhos de Gabriel Gonti, inspira leveza e positividade. “Me leva pra ilha deserta / Aonde só o amor governa / Eu pescador, você rainha do mar”, ele canta na faixa, que se inspira na figura de Iemanjá para refletir sobre as idas e vindas da vida, que imitam o movimento das ondas do mar.

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

ANNA RATTO

Anna Ratto.jpg

A palavra que melhor traduz o novo álbum da cantora e compositora Anna Ratto está no título: TANTAS. É assim, plural e renovada, que ela surge em seu quinto CD, primeiro pela Biscoito Fino. Disco de intérprete - Anna assina apenas uma canção, em parceria com Jam da Silva-, a ideia foi dar voz a compositores do entorno. “Queria gravar essa gente talentosa que tem produzido coisas incríveis. Já gravei muitos ídolos consagrados, como Gil, Erasmo, Tom Zé. Neste disco quis cantar meus ‘jovens ídolos’. Ser canal.” define. E assim fez, gravando Caio Prado, Matheus VK, Ana Clara Horta e João Cavalcanti, entre outros. O novo álbum de Anna Ratto marca também o início de uma parceria com dois produtores conectados a várias e novas sonoridades, do pop à música eletrônica: Jr Tostoi e Marcelo Vig. "Vinha sentindo falta de ousar mais, sem medo de recursos como programações e elementos eletrônicos. Nos trabalhos anteriores minha música era mais lúdica, tinha uma brejeirice nos arranjos, na estética, que faziam parte daquele momento. Esse álbum continua solar, mas tem uma densidade e uma atitude novas”. Fotografada pela craque Nana Moraes, Anna Ratto surge na capa com um figurino especialíssimo, criado e desenhado nas próprias fotos pelo estilista Ronaldo Fraga. A direção artística é de Bianca Ramoneda.

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

marcos valle

marcos-valle.PNG

Marcos Valle é o homem renascentista do pop brasileiro. Cantor, compositor e produtor que percorreu o mundo da música do país desde os primeiros dias da  bossa nova até o som embebido de fusão da MPB dos anos 80 e no século 21. Valle é um dos mais importantes e populares intérpretes da história do pop brasileiro. Seu segundo álbum, O Compositor e o Cantor, de 1965, é amplamente considerado um dos mais importantes da época. Seu single de sucesso, "Samba de Verão", é uma das canções mais tocadas da história da música brasileira. A canção tornou Valle popular na cena americana.

 

Seu compilado de versões em inglês de seus sucessos anteriores e novo material, seu samba e bossa foram entregues com som propositalmente americanizado. Seus álbuns de pop experimental brasileiro do início dos anos 70 - incluindo Marcos Valle, Garra, Vento Sul e Previsao do Tempo - trouxeram a bossa nova para um contexto pós-jazz e a anexaram ao pop barroco, soul sofisticado e rock psicodélico. O set de Valle de 1981, Vontade de Rever Voce, em grande parte escrito com Leon Ware e Peter Cetera, ofereceu um excelente exemplo de samba boogie-funk. Depois de uma longa pausa nas gravações de meados dos anos 80 até o final dos anos 90, Valle surgiu com a Nova Bossa Nova, atualizando a exportação mais influente do Brasil no século 21. O Escape de 2001 marcou o início de um relacionamento de longo prazo com a gravadora de Londres.

 

A fusão pop de 2006 Jet Samba recriou o ambiente de produção das conceituadas saídas de samba funky dos anos 70 de Valle. Em 2013, ele e o vocalista de jazz britânico lançaram Ao Vivo, uma apresentação de bossa ao vivo. Valle voltou ao funk e disco brasileiro para a Sempre em 2019, sua primeira apresentação em estúdio em seis anos.

  • YouTube ícone social
  • Spotify
  • Instagram


Andressa Hayalla

andressa-hayalla.PNG

Nascida no Rio de Janeiro, apaixonada por música muito cedo. Começou sua trajetória ainda na infância, aos 4 anos de idade cantando na Igreja pela influência da tia, também cantora. No cenário gospel, participou de concursos importantes, trabalhou também em bandas de festas e cerimônias, até que em 2018 foi selecionado para participar do reality show The Voice .  "Uma oportunidade apareceu em um momento em que já estava quase ausente da música. Não queria mais cantar de jeito nenhum, pois acabara de perder minha maior referência de que era minha tia ”.

 

Andressa estreou no programa interpretando a música  Paciência de Ferrugem  feat  Alcione e foi escolhida por unanimidade pelos jurados: Lulu Santos, Carlinhos Brown e Ivete Sangalo, escolhidos como técnicos por Andressa. Apesar de não ter ido até finais, uma participação no The Voice representou uma virada de chave na trajetória de Andressa, cantando Pagode “Na minha casa, se ouvia tudo, mas minha mãe sempre gostou de pagode, então era natural ouvir  Jorge Aragão, Belo e Péricles e outros grandes nomes desse gênero. As mulheres podem cantar o que elas querem, ser o que elas querem…” É com essa mentalidade que Andressa vem crescendo no mercado. Seu mais recente lançamento, o EP Eu Também Sei Fazer, conta com a faixa  que foi incluída nas principais playlists de pagode da plataforma, como Alma Pagodeira, Pagodeira e Pagode Romântico  e  tem mais de UM MILHÃO DE STREAMS no Spotify.

  • Spotify
  • YouTube
  • Instagram

JOVEM DIONISIO

Versatilidade, irreverência, peculiaridade e hits. Assim a Jovem Dionísio vem conquistando cada canto do país com uma linguagem moderna e sonoridade que passeia entre o pop, o eletrônico e o rap. Uma boy band de boteco nascida e criada em Curitiba, com uma música que bate na alma de um público fiel e cada vez maior. 

Isso pode ser notado nas enormes filas para o camarim com fãs tatuados com a cadeirinha, que virou a marca registrada do grupo, ou com versos marcantes das canções. Mesmo isolado, o grupo foi companhia de muita gente durante a pandemia e viu os números crescerem de 20 mil ouvintes mensais para mais de 1,5 milhão no Spotify. São mais de 120 milhões de plays só nesta plataforma. 

A Jovem Dionísio já viralizou em Tik Tok, já foi trending topic do Twitter, entrou na lista global de mais viralizadas do mundo e já lançou feats com importantes nomes da cena como AnaVitória e Gilsons. Mas, talvez o que tenham de melhor mesmo eles guardem pro palco, com performances impactantes. 

  • Spotify ícone social
  • Instagram
  • YouTube

PEDRO MARIANO

Filho de Elis Regina e César Camargo Mariano, Pedro Camargo Mariano foi criado em um ambiente musical raro. Começou a participar de festivais escolares aos 12 anos, formando a Confraria com seu irmão, João Marcello Mariano, para esses eventos, acabando por vencer alguns deles. Em 1992, a banda já contava com Max de Castro na guitarra e, no ano seguinte, Daniel Carlomagno no baixo também. Em 1994, Pedro deixou a Confraria para seguir carreira solo e trabalhar em jingles. Em 1995, produzi uma homenagem à mãe com seu irmão, João Marcello, na P.U.C. universidade. A banda de apoio incluía João Marcello, Max de Castro, Daniel Carlomagno e Pedro. A homenagem foi um sucesso e virou um especial de TV, transmitido pela CNT e outros canais. O primeiro disco solo do irmão veio antes do dele (João Marcelo Bôscoli e Cia), e Pedro participou de quatro de suas faixas. Seu primeiro disco solo, Pedro Camargo Mariano, saiu em 1997. Em 1996, Pedro se apresentou com César Camargo Mariano no Montreaux Jazz Festival (Suíça), onde fez um dueto com Milton Nascimento. Em 1998, participou do bem-sucedido projeto Artistas Reunidos com Jairzinho Oliveira, Max de Castro, Wilson Simoninha, Daniel Carlomagno e Luciana Mello. Em 1999, foi convidado por Isaac Delgado para participar do Festival Beny Moré (Cuba).

  • Spotify ícone social
  • Instagram
  • YouTube


FLAVIO VENTURINI

Venturini se interessou pela música aos três anos de idade.[1] Aos quinze anos começou sua formação musical. Seu primeiro instrumento musical foi o acordeão.[2] Depois que seu pai lhe deu um piano, iniciou seus estudos na Fundação de Educação Artística em Belo Horizonte, onde estudou percepção musical e piano. Venturini foi revelado na década de 1970 pelo movimento musical Clube da Esquina, junto com Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes, entre outros. Entre 1974 e 1976, integrou o grupo musical O Terço.[2] Em 1979 fundou o grupo 14 Bis, pelo qual fez sucesso entre 1980 e 1989, quando deixou o grupo para iniciar carreira solo. Entre seus principais sucessos, como compositor ou intérprete, estão "Todo Azul do Mar", "Linda Juventude", "Planeta Sonho", "Nascente", "Nuvens", "Espanhola" (parceria com Guarabyra, integrante da dupla Sá & Guarabyra) e "Mais Uma Vez" (com Renato Russo, o fundador formal e líder da Legião Urbana); Originalmente gravada e interpretada pelo 14 Bis em 1987 e relançada em 2003.

  • Spotify ícone social
  • Instagram
  • YouTube

HENRIQUE PORTUGAL

Henrique Portugal é cantor, compositor, tecladista e produtor musical. Membro fundador da banda SKANK, hoje também realiza projetos solo. Henrique Portugal é cantor, compositor, tecladista e produtor musical, integrante da banda SKANK, também conduz projetos solo, filho de músicos, aprendeu a tocar piano aos cinco anos de idade. Aos 17 anos, formou sua primeira banda e em 1991, ganhou projeção nacional como tecladista do grupo Skank, que se tornou uma das mais representativas bandas brasileiras da década de 90.

  • Spotify ícone social
  • Instagram
  • YouTube

Chico César

© Ana Lefaux 6_edited.jpg

Chico César é um compositor/intérprete revelado em 1995. Suas composições são um misto de críticas sociais e humor, com forte influência da cultura nordestina. Já foi gravado por artistas como Elba Ramalho, Daniela Mercury, Zizi Possi, Emílio e o argentino Pedro Aznar. Maria Bethânia escolheu a música "A Força que Nunca Seca" como título de um de seus registros de estúdio. César gravou quatro álbuns até o momento e tem feito shows ao redor do mundo desde 1995. *texto traduzido da bio do Spotify do artista.

  • Spotify
  • Instagram
  • YouTube